Insolência redimida: Boeing começa a acabar com a Embraer

A remissão americana caminha de vento em polpa, mostrando para este bananal, infestado de morenos indolentes, que somente os países bons podem singrar os ares com suas belonaves voadoras, cabendo aos demais macaquitos somente esticar os pescoços em admiração a sua superioridade.

Ao acabar com o nome Embraer, a Boeing dá o primeiro passo para a extinção da empresa em solo tupiniquim, fechando a fabrica aqui e mudando a produção para os Estados Unidos, impedindo que os brasileiros trabalhem com essa tecnologia, ao invés de irem cultivar a terra, trabalhando nos plantations.

É o Brasil voltando a sua vocação natural.

Alvíssaras!

Facebook Comments
Compartilhar

29 comentários sobre “Insolência redimida: Boeing começa a acabar com a Embraer

  1. Professor,

    Quem inventa as tags das postagens (boeing, embraer, traidores, vendilhões, viralatismo) são os mesmos que bolam os nomes das operações da PF e MP?

    Tem que fazer curso, tipo mestrado e doutorado, para se conseguir fazer isso?

    Parece que na PF e MP os nomes das operações são mais importantes dos que as próprias operações.

    Só que lá tinha um japa que era mais sujo que pau de galinheiro.

    Aqui o nosso espaço é santificado, em nome de São Serapião.

    Ainda demos de grátis a Commercial para os nossos amados irmãos brancos do north.

    1. Pantera rosa,

      Pense bem, se esse guru acha que Bozó é capacitado pra presidência , aceitar teorias arcaicas é fichinha.
      Sendo boazinha a criatura está pelo menos 150 anos atrasado, aliás como a maioria da crasse mérdia

  2. Engenheiros e fornecedores bateram panela. Assistiram felizes a sua ascensão para o primeyro mundo. Ao chegar em casa:
    -Mulher, ganhamos na loterya, Vamos receber em dolar e morar em Seattle, USA. Xique no úrtimo!
    Does ou tres anos depois:
    Mulher, nois sifu! O Brasil não brinca maes de aviãozinho. Até os fornecedores de parafusos estão tentando mudar a sua fábrica para a américa.
    Tudo por causa do Lula, aquele petralha que acabou com o Brazil. E olha que naquele tempo em que “éramos todos Cunha”, eu achava que a gente tinha acabado com o roubo kumunista!
    Oh vida, oh azar!

    1. Ufa! esse Aquissimete quase me grampeou. Ficou dizendo que o sinal está fechado para mim que sou jovem.
      Eu só num sabo o que quer dizer bots.
      Se eu descobrir que é um termo desayroso, vou reclamar com o sejumoro, o xerife de Maringá.

  3. Com todo respeicto ao sinistro Pauno Geques, mas o bolsokid 01 entende muyto maes de ganhar dinheyro. Com elle como sinistro do antiministério da deseconomiha, espta províncea bananeira vae elevar-se aos píncaros estratosféricos do liberalismo! Enquanto aquelle novededos fracassou até em adquirir hum triplexzinho mequetrephe, o princeps dos negóceos imobiliáreos flavinho01 conseguio lucros vultuosos em 37 imóveis, hum colosso!!!

    https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,investigacao-sobre-flaviobolsonaro-alcanca-37-imoveis,70002843983.amp

  4. Os actos bozonazis foram um successo! Visto aqui da sacada tomando o meo martini os patos deviham esptar até meyo suphocados… mas inda assim sobrou muyta gramma e não passaram fome, felizmencte.

      1. Mister Pink,
        O “Somos Todos Cunha” participou?
        E o Queiroz, aproveitou para vender suco de laranja para os MELHÕES que foram às ruas?
        Pergunto pq não phui. Estava em casa vendo currida de artomóvel!

    1. Saudosos tempos…

      Nós, empresários ricos e homens de bens que somos, botávamos “idiotas úteis”, como por exemplo Chico Buarque e Gilberto Gil, para participarem de passeatas contra a “invasão” da guitarra elétrica e consequentemente das músicas estrangeiras que, apesar de muito boas que eram, iriam prejudicar nossos negócios fonográficos e televisivos aqui no Bananal.

      Não deu certo e foi uma pena, pois a música de qualidade e com guitarra elétrica caiu no gosto da massa ignara morena indolente, tomando o lugar que era dela.

      Bons tempos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *