Imprensa internacional destoa da nacional por não ver a poesia na questão alimentar

Reportagem: Prostituto Libertino.

Cafetina de Redação: Hera Vergalhães

A qualidade superior da imprensa livre dos homens de bem da nação salta aos olhos quando vemos a maneira inadequada com que os órgãos de imprensa internacionais tratam a fome  no Brasil, passando ao largo da questão central que é a poética na miséria e na fome lindamente enfocada pelos jornalistas imparciais que atuam nos melhores jornais e tvs, como Globo, Bandeirantes, Folha, Estadão, etc. É de encher os olhos de lágrimas tamanha a qualidade jornalística dos brasileiros em relação aos estrangeiros quando tratam do mesmo assunto.

Como a imprensa tendenciosa e antijornalista tratam a fome no Brasil:

Como se faz o verdadeiro jornalismo em nosso país, exemplo para o mundo de dedicação a verdade e a imparcialidade:

Isso sim é jornalismo, nada desse alarmismo barato da imprensa estrangeira, quem entende do Brasil são os jornalistas dos homens bons da Pátria. Ontem eu fui no Fasano e não vi ninguém passando fome.

Facebook Comments
Compartilhar

8 comentários sobre “Imprensa internacional destoa da nacional por não ver a poesia na questão alimentar

  1. Gás caro e comida mais saborosa: fogão à lenha vira xodó nas casas<

    Quem escreveu este tolet., digo, tais verbetes é, antes de tudo um poeta, um guru das palavras, talquei? “Fogão À Lenha” (Sic!) é tudo. Lenha para quem precisa. Já!

    1. Essa imprensa nacional é mesmo ótima: “protege” o brasileiro dos combustíveis fósseis e, disfarçadamente, mata o português.

      À todo vapor!

  2. Tio Hari,
    Ataulfo já cantava a poesia em 1942
    Saudades da Amélia…..
    Às vezes passava fome ao meu lado
    E achava bonito não ter o que comer
    Quando me via contrariado
    Dizia: Meu filho, o que se há de fazer?

  3. Entre restos no monte fétido,
    Concorrem cães e carniceiros.
    Mas o estômago na costela,
    O motiva na amarga tarefa.

    Prêmio escasso e repulsivo,
    Dá-se um pouco mais de tempo:
    Viva mais um dia, mais um dia.

    Mas o vinco extra na face,
    Uns fios a menos na cabeça,
    Diz o contrário do que acha:
    É menos um dia de existência.

    Mas que existência? Resiste.
    Quem dirá que existiu um dia,
    Ou resistiu na matemática funesta?

  4. Venerando Mestre: ainda nos resta uma esperança. Existe sempre a Promessa de um porvir edificante e nobre. Ontem o nosso glorioso Clube Militar soltou uma fundamentada nota informando a todos, dizendo o que todos já desconfiávamos. O Brasi é a Pátria do Evangelho e dá-nos a entender que não é o Evangelho daquele leninista, daquele integrante do Soviete da Galileia, aquele que escarrava frases como ” Perdoa aos teus inimigos; vai vende tudo o que tens é dá aos pobres, depois vem e segue-me; reconcilia-te com o teu adversário enquanto estás no caminho com ele; olhai os lírios do campo; além de outras centenas de sandices sino soviéticas. Ai se Ele aparecer lá clube de certeza vai querer voltar para a Cruz. O nosso evangelho é outro, é aquele evangelho que ecoa na boquinha do messias: tenho mais coisas para destruir de que para construir; a daí, todos temos que morrer um dia… Além do grande pequeno Caio Coppola e outros gigantes do Evangelho do Glorioso Clube Militar.
    Sigamos o líder.

  5. Mestre,
    O pior que porteiros votaram nos homens de benz e ainda leem seus jornais .
    O massacre dos armênios vai ser fichinha frente o massacre das zelites

  6. Este jornalzinho do North, que está abrigando remanescentes do trumpismo, quer nos fazer crer que nos semáforos das ruas do brazil existem adolescentes que mostram placas que dizem: “estou com fome”, mas certamente eles não sabem falar o bom português e passam a publicar bobagens.

    Devemos perdoar esse pequeno jornal que luta para continuar sendo publicado, pois as gafes foram, é claro, cometidas por estagiários que receberam a chance do primeiro emprego, graças à bondade dos apoiadores do trump que ainda nos fazem o imenso favor de permanecer lá.

    Se eles conseguissem entender nosso idioma, perceberiam logo que se tratam de artistas, como malabaristas, dentre tantos outros, que não têm com o quê se preocuparem, em relação à situação econômica do nosso reino e ficam distraindo motoristas estressados.

  7. Essa questã de fome ai é relativa tauquei?
    No tocante a fome se pode ver que os pedintes pesam mais que 7 arrobas…
    Pergunte para a sua mãe!
    brasiu acima de tudo e antarctica para os brasileiros!
    klorokina kura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *